ìndice

segunda-feira, 28 de novembro de 2016

Convênios médicos



Se você possui um convênio médico procure saber quais os procedimentos para obter o reembolso de suas consultas psicológicas.Os convênios em geral solicitam os recibos das consultas, diagnósticos e encaminhamento médico. Se você possui um convênio médico procure saber quais os procedimentos para obter o reembolso de suas consultas psicológicas.

Os convênios em geral solicitam os recibos das consultas, diagnósticos e encaminhamento médico.

A ANS -  Agência Nacional de Saúde – órgão do governo que regulamenta os planos de saúde – possui uma lista de procedimentos obrigatórios aos planos de saúde.
Estipulou-se que os convênios serão obrigados a reembolsar ou oferecer atendimentos de 18 a 40 sessões psicoterapêuticas por ano (período de 12 meses).

Critérios:

1. Cobertura obrigatória de 40 sessões por ano de contrato quando preenchido pelo menos um dos seguintes critérios:

a. pacientes com diagnóstico de esquizofrenia, transtornos esquizotípicos e transtornos delirantes (CID F 20 a F 29);
 b. pacientes com diagnóstico de Transtornos da infância e adolescência (CID F 90 a F 98);
c. pacientes com diagnóstico de Transtornos do desenvolvimento psicológico (F80 a F89).

2. Cobertura obrigatória de 18 sessões por ano de contrato, quando preenchido pelo menos um dos seguintes critérios:

a. pacientes com diagnóstico de Demência (CID F 00 à F 03);
 b. pacientes com diagnóstico de Retardo (CID F 70 à F 79).

2.  Cobertura obrigatória de 24 sessões por ano de contrato quando preenchido pelo menos um dos seguintes critérios:

 a. pacientes com diagnóstico de Transtornos neuróticos, transtornos relacionados com o "stress" e transtornos somatoformes (CID F40 a F 48);
b. pacientes com diagnóstico de Síndromes comportamentais associadas a disfunções fisiológicas e a fatores físicos (F 50 a F 59);
 c. pacientes com diagnóstico de Transtornos do humor (CID F 30 a F 39);
d. Pacientes com diagnóstico de Transtornos mentais e comportamentais devido ao uso de substâncias psicoativas (CID F 10 a F 19).

Neste Rol de atendimentos incluem o psicodiagnostico para pacientes que vão sofrer intervenções cirúrgicas: auditivas, histerectomia, vasectomia, bariátrica (todos os tipos), etc.


 Valor de reembolso é o valor contratado entre o paciente e a operadora do plano de saúde para todos os procedimentos cobertos. Esta informação poderá ser obtida na sua operadora e é obrigação da operadora fornecê-la.

Verifique o valor de reembolso para consulta de seu plano e informe-nos, verificaremos a possibilidade de atender por um valor semelhante.

Veja também os nossos parceiros, descontos de 30% nos atendimentos.


 

Os serviços prestados terão como referência a tabela do CRP-SP – com desconto de 30% por sessão. Serviços, ainda não previstos pelo CRP (laudos bariátricos, acompanhamento pré e pós-operatórios de vasectomia, histerectomia, mudança de sexo etc.) serão combinadas diretamente entre o profissional e o contratante, sem que isso prejudique o direito ao desconto de 30%.









 









Saiba mais sobre o processo de reembolsos dos planos de saúde para o seu tratamento psicológico

Sobre Convênios Médicos 

segunda-feira, 14 de novembro de 2016

"O estômago possuído"


O livro relata o drama de quem sofre de compulsão alimentar.


Quase todo mundo já se flagrou em um momento de descontrole alimentar. Sabe quando acaba a festa e a gente fica a sós com as sobras da Ceia? Ou depois de um dia estressante, quando parece que só a caixa inteira de bombom é capaz de aplacar a ansiedade. Passar, vez ou outra, por um episódio de comilança pode, no máximo, render alguns gramas a mais na balança, além de muita azia. Mas conviver com isso quase todos os dias pode ser um verdadeiro inferno.
Para quem sofre do Transtorno da Compulsão Alimentar Periódica (TCAP), colocar para dentro 2.000 ou 3.000 calorias de uma só vez não é uma questão de falta de disciplina ou de vergonha na cara, como muita gente pode pensar. "A pessoa não tem controle voluntário suficiente para impedir um episódio ou interrompê-lo", explica o psiquiatra Adriano Segal, do Ambulatório de Obesidade do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (Universidade de São Paulo).
Uma metáfora perfeita para o transtorno virou título do livro que Segal e o endocrinologista Alfredo Halpern, também do ambulatório, acabam de lançar: “O estômago possuído” (Ed. BestSeller). O livro conta a história de Simone, uma personagem fictítica que convive com os sintomas típicos do TCAP: dois ou mais episódios de compulsão por semana, no qual se ingere uma quantidade enorme de comida em um intervalo curto e em situações em que comer assim não é esperado -- encher a pança no rodízio de carnes ou na festa de fim de ano não é algo fora da curva.
De acordo com o psiquiatra, o TCAP ainda não é reconhecido oficialmente como um transtorno alimentar. Ou seja, não está descrito na “bíblia” das doenças mentais, digamos assim. “Deverá ser em muito breve, mas atualmente ainda é uma categoria diagnóstica em pesquisa”, explica.

Histórico de dietas

O transtorno acomete cerca de 2% da população. Em pacientes obesos, a prevalência pode chegar a até 40%. O problema é mais frequente em mulheres, em pessoas que convivem com a obesidade desde a infância, que passaram por todo tipo de dieta e, ainda, que sofrem de quadros psiquiátricos como ansiedade e depressão.
Apesar de ser tão comum, o TCAP ainda não é tão divulgado como a anorexia e a bulimia, outros tipos de transtorno alimentar. Para Segal, isso se explica por sua falta de “glamour” – é um transtorno associado a gente obesa, não a figuras que frequentam passarelas.
A causa da compulsão alimentar periódica ainda não é muito clara. O médico comenta que o entra-e-sai-de-dieta pode ter um papel importante, por desequilibrar o centro de saciedade. Também há a hipótese de o problema ser causado por falhas no fluxo de dopamina e serotonina – dois mensageiros químicos do cérebro ligados à sensação de recompensa e de bem-estar, respectivamente. 

Terapia e medicamentos


Para quem sofre de episódios frequentes de descontrole alimentar, mas ainda não chegou ao status de Simone, a personagem com “estômago possuído”, a recomendação é procurar um especialista na área. “Não faça dietas estapafúrdias, não acredite em milagres, coma de modo saudável (mas não ‘neuroticamente’ saudável) e faça atividades físicas também de modo saudável”, completa
.O tratamento do transtorno envolve terapia, orientação nutricional, mudanças de estilo de vida e uso de medicamentos, como certos antidepressivos. “Não há cura, mas muitos pacientes têm excelente evolução”, conta o psiquiatra.

"O estômago possuído"
Adriano Segal e Alfredo Halpern
Editora BestSeller
144 páginas
Fonte: http://noticias.uol.com.br/ultnot/cienciaesaude/ultimas-noticias/2011/12/21/o-estomago-possuido-relata-o-drama-de-quem-sofre-de-compulsao-alimentar-nao-so-no-fim-do-ano.jhtm

quinta-feira, 10 de novembro de 2016

Bebida alcoólica e cirurgia bariátrica, pode?


As pessoas que fizeram cirurgia bariátrica devem evitar a ingestão de bebida alcoólica?


De acordo com as pesquisas e divulgação da Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica (SBCBM). “A sensibilidade ao álcool aumenta depois da cirurgia e, além disso, é um líquido com alto valor calórico”.


A absorção do álcool nas cirurgias do tipo Bypass gástrico em Y de Roux é mais rápida, o que acelera a embriaguez mesmo com a ingestão de pequenas quantidades. Por isso, no período pós-operatório, recomenda-se o não consumo de bebidas alcoólicas e gaseificadas, como cerveja, pois o gás pode causar incômodo e dilatar o estômago com o passar do tempo.


A cirurgia bariátrica não cura a obesidade, a cirurgia controla o ganho de peso através de uma ingesta menor e de melhor qualidade. A obesidade é considerada uma doença crônica. Se o paciente não se controla, se não adota os exercícios físicos e uma nova alimentação, ele vai voltar a ganhar peso. A cirurgia é só parte do caminho.


Existe a necessidade na mudança de estilo de vida da pessoa que passou por uma cirurgia bariátrica , fazer uma reeducação alimentar, fazer atividades físicas, ter horários para comer, comer devagar, seguir o uso de determinados suplementos/vitaminas quando necessários. Quando os pacientes não se adaptam a esse programa correm o riscos de ter resultados inferiores aos previstos, voltam a ganhar peso, as vezes bem rápido e/ou a ter os problemas de saúde.


Pessoas que passam pela cirurgia, passam a se sentir bem e, por isso, deixam de tomar os suplementos necessários, e quando vão procurar ajuda já estão com anemia grave, outro fator que podemos considerar é que as pessoas que emagrecem após a cirurgia de redução do estômago tendem a ter uma vida social mais agitada e muito mais disposição para sair e são nestes momentos que o consumo de bebida alcoólica pode aumentar. A recomendação é evitar por completo a ingestão de álcool, pois o resultado da cirurgia pode ser afetado. É necessário que haja controle por parte do paciente, lembrando sempre que a cirurgia bariátrica é apenas a metade do caminho.


As informações trazida por meio de grupos formados nas clínicas e pela internet são muito importante, os contatos ajudam muito a pessoa que pretende passar pelo procedimento cirúrgico, entender tudo que tem que enfrentar, muito bom acompanhar os grupos da rede social Facebook, onde os participantes relatam suas experiências e postam fotos de antes e de depois da cirurgia.


Para aqueles que não dispensam um bom vinho, na maioria dos casos, após seis meses é liberada – esporadicamente, uma taça da bebida. Converse com o seu médico sobre isso, cada pessoa reage de uma forma.

Deixe o seu comentário 

terça-feira, 8 de novembro de 2016

Dez coisas importantes sobre a cirurgia bariátrica

O número de obesos aumenta no mundo a cada dia e a cirurgia bariátrica vem se tornando um importante aliado no tratamento de pacientes com obesidade grau 3. Conheça as 10 coisas que você precisa saber sobre este procedimento.

1 - Gastroplastia, também chamada de Cirurgia Bariátrica, Cirurgia da Obesidade ou ainda de Cirurgia de redução do estomago, é, como o próprio nome diz, uma plástica no estômago (gastro = estômago, plastia = plástica), que tem como o objetivo reduzir o peso de pessoas com o IMC muito elevado.

2 - Esse tipo de cirurgia está indicado, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS) para pacientes com IMC acima de 35 Kg/m², que tenham complicações como apneia do sono, hipertensão arterial, diabetes, aumento de gorduras no sangue, problemas articulares, ou pacientes com IMC maior que 40 Kg/m², que não tenham obtido sucesso na perda de peso com outros tratamentos.

3- Existem três tipos básicos de cirurgias bariátricas. As cirurgias que apenas diminuem o tamanho do estômago, são chamadas do tipo restritivo (Banda Gástrica Ajustável, Gastroplastia vertical com bandagem ou cirurgia de Mason e a gastroplastia vertical em “sleeve”). 
A perda de peso se faz pela redução da ingestão de alimentos. Existem, também, as cirurgias mistas, nas quais há a redução do tamanho estomago e também um desvio do trânsito intestinal, havendo desta forma, além da redução da ingestão, diminuição da absorção dos alimentos. 
As cirurgias mistas podem ser predominantemente restritivas (derivação Gástrica com e sem anel) e predominantemente disabsortivas (derivações bileopancreáticas).

4- Apesar de cada caso precisar ser avaliado individualmente, a todos aqueles irão realizar a cirurgia devem ser submetidos a uma avaliação clínico-laboratorial a qual inclui além da aferição da pressão arterial, dosagens da glicemia, lipídeos sanguíneos, e outros exames sanguíneos, avaliação das funções hepática, cardíaca e pulmonar. A endoscopia digestiva e a ecografia abdominal são importantes procedimentos pré-operatórios. A avaliação psicológica também faz parte dos procedimentos pré-operatórios. Pacientes com instabilidade psicológica grave, portador de transtornos alimentares (como, por exemplo, bulimia), devem ser tratados antes da cirurgia.

5- Na maioria dos casos, com a cirurgia bariátrica, além de perder grande quantidade de peso, o paciente tem os benefícios da melhora, ou mesmo cura, do seu diabetes, controle da pressão arterial, dos lipídeos sanguíneos, dos níveis de ácido úrico, alívio das dores articulares.

6- Do ponto de vista nutricional, os pacientes submetidos à cirurgia bariátrica deverão ser acompanhados por longo tempo, com objetivo de receberem orientações específicas para elaboração de uma dieta qualitativamente adequada. Quanto mais disabsortiva for a cirurgia, maior a chance de complicações nutricionais, como anemias por deficiência de ferro, de vitamina B12 e/ou ácido fólico, deficiência de vit D e cálcio e até mesmo desnutrição, nas cirurgias mais radicais. Reposições vitamínicas são feitas após a cirurgia e mantidas por tempo indeterminado. A diarreia pode ser uma complicação nas cirurgias mistas, principalmente na derivação bileopancreática.

7- A adesão ao tratamento deverá ser avaliada, uma vez que pacientes instáveis psicologicamente podem recorrer a preparações de alta densidade calórica, de baixa qualidade nutricional, que além de provocarem hipoglicemia e fenômenos vasomotores (sudorese, taquicardia, sensação de mal-estar), colocam em risco o sucesso da intervenção à longo prazo, porque reduzem a chance do indivíduo perder peso.
8 - A cirurgia antiobesidade é um procedimento complexo e apresenta risco de complicações. A intervenção impõe uma mudança fundamental nos hábitos alimentares dos indivíduos. Portanto, é primordial que o paciente conheça muito bem o procedimento cirúrgico e quais os riscos e benefícios da cirurgia. Desta forma, além das orientações técnicas, o acompanhamento psicológico e o apoio da família são aconselháveis em todas as fases do processo.
9 - Em alguns casos, uma cirurgia plástica para retirada do excesso de pele é necessária. A mesma poderá ser feita quando a perda de peso estiver totalmente estabilizada, ou seja, depois de aproximadamente dois anos.

10 - Mulheres que realizam cirurgia bariátrica devem aguardar pelo menos 15 a 18 meses antes de engravidar. A grande perda de peso logo após a cirurgia pode prejudicar o crescimento do feto.

Consultoria: Dra. Rosana Radominski – presidente da Abeso, que integra um dos Departamentos Científicos da SBEM.

sexta-feira, 19 de agosto de 2016

Será possível "obeso saudável" ???



Aquela história de “gordinho saudável” caiu por terra. Mesmo sem nenhum problema metabólico aparente, como diabetes, colesterol elevado e pressão alta, as pessoas obesas (IMC — Índice de Massa Corpórea — entre 30 e 35) ou com sobrepeso (IMC entre 25 e 30) têm risco 24% maior de morte prematura causada por problemas súbitos como o infarto, quando comparados aos que estão dentro do peso.

A constatação veio de uma pesquisa feita, ao analisar dados de mais de 61.000 pacientes de oito estudos, cientistas canadenses (Leadership Sinai Centre for Diabetes, Mount Sinai Hospital; University of Toronto; and Lunenfeld-Tanenbaum Research Institute, Mount Sinai Hospital, Toronto, Ontario, Canada), em estudo publicado hoje na Annals for Internal Medicine, encontraram grande evidência que desafia o chamado paradoxo da obesidade: o conceito de obesidade saudável. 

Martinho Rolfsen, cirurgião da obesidade do Hospital Sírio-Libanês, explica que essa ideia nasceu há alguns anos baseada num estudo que afirmava que indivíduos “metabolicamente compensados”, ou seja, sem doenças associadas à obesidade, poderiam ser considerados saudáveis. Além disso, chegaram a sugerir que indivíduos obesos, mas que eram ativos no dia dia, poderiam ser tão saudáveis quanto pessoas magras. Mas a afirmação sempre foi discutida por alguns especialistas, sobretudo cardiologistas.

“Para se ter uma ideia, sobrepeso já é uma condição predisponente para a obesidade, que é uma doença. Portanto, o indivíduo pode naquele momento específico não apresentar alterações laboratoriais, mas ainda assim ele está doente”, diz Rolfsen.

Um dos riscos mais evidentes da obesidade está no acúmulo de gorduras nas artérias, o que pode desencadear uma série de malefícios, como angina, infarto do miocárdio, dificuldades de memória, risco de diabetes tipo 2, problemas de ereção, impotência sexual e até cegueira.

obesidade
“Às vezes o indivíduo é jovem ou possui uma reserva metabólica funcional orgânica que consegue compensar as alterações que viriam na esteira da obesidade. Ou seja, metabolicamente, naquele momento, ele pode se encontrar competente para superar as mudanças que a obesidade traria para o organismo dele, como pressão alta, por exemplo. Mas à medida que o tempo vai passando, a reserva funcional pode não ser mais suficiente e ele passa apresentar problemas sérios”, explica o especialista.

A médica Maristela Monachini, do Centro de Cardiologia do Hospital Sírio-Libanês é enfática em relação a essa questão. Para ela, a obesidade já é uma epidemia e acredita que até 2030 haja uma inversão da pirâmide no país: haverá muito mais pessoas obesas do que indivíduos saudáveis.

“Mesmo que o paciente não possua histórico familiar para doenças cardíacas, ele passa a ter um risco elevado por causa da obesidade. Ela só não vai ter a predisposição genética. Não existe obeso saudável. Isso é mito. Quando você começa a analisar a fundo o colesterol da pessoa, perfil de glicose, triglicérides, sempre há alterações”, ressalta a cardiologista.

(Juliana Conte - site Dráusio Varela)

Veja como está o seu IMC:Cálculo do IMC

Avalie a sua vida...roda da vida



PREENCHA A RODA DA VIDA
Para marcar o círculo, basta dar uma nota de 0 a 10 para o seu nível de satisfação em cada um dos campos. 
Por exemplo, na área Saúde e Disposição, pergunte-se: "Quão satisfeita estou com minha Saúde? Sinto-me disposta?” Faça uma média de como tem se sentido e dê uma nota entre 0 e 10. 
Uma dica: não pare muito para pensar, não consulte ninguém e nem pense em ficar se comparando a outras pessoas. Atribua a nota que vier à mente, pois ela tende a representar como você está se sentido realmente. 
Conforme for dando a nota, pinte a roda da vida para facilitar a visualização ao final. Feito isso, contemple-a e reflita sobre sua vida, ou vai marcando os números e faça um gráfico.
 OS FATOS
Qual área eu preciso dar um pouco mais de foco para, de quebra, melhorar outros aspectos? Você pode escolher uma área que já esteja bem ou optar por uma mal avaliada para elevá-la. Tanto faz. Será que consigo sozinha, ou preciso de uma ajuda profissional?
A psicologia está ai para ajudar em muitos aspectos, não só quando a pessoa apresenta uma doença, podemos atuar de forma preventiva...para que esperar adoecer para melhorar a qualidade de vida?

quinta-feira, 18 de agosto de 2016

A Rã




Imagine uma panela cheia de água fria, na qual nada, tranquilamente, uma pequena rã.

Um pequeno fogo é aceso embaixo da panela, e a água se esquenta muito lentamente.

Atenção: se a água  esquentar muito lentamente, a rã não percebe esse sutil aquecimento!

Pouco a pouco a água fica morna e a rã, achando isso bastante agradável, continua a nadar… e a temperatura da água continua subindo…e ela se acostumando...

Com o inevitável avanço dos minutos a água se torna mais quente do que a rã poderia apreciar, então ela se sente um pouco cansada, mas, não percebe isso, não se amedronta e continua seu “banho” fatal, na esperança que a temperatura se mantenha, ou diminua...

Mais alguns minutos e a água está realmente quente. A rã começa a achar desagradável, mas está muito debilitada então suporta e não faz nada.

Com o passar do tempo e a subida constante da temperatura a rã acaba simplesmente cozida e morta!

Não sejamos como a rã...não vamos nos acostumar!! Estejamos no controle do fogo do nosso caldeirão.

terça-feira, 16 de agosto de 2016

Avaliação Psicológica II



Quem pode fazer a cirurgia bariátrica?

A idade mínima para cirurgias bariátrica é 16 anos. São regras do Ministério da Saúde.
O índice (IMC) mínimo para cirurgia bariátrica é “35 + doenças associadas” ou “maior que 40, mesmo sem doenças”.

Avaliação Pré-Operatória

Os candidatos à cirurgia bariátrica devem ser submetidos a uma avaliação préoperatória completa para determinar fatores de risco que possam aumentar as complicações e comprometer o resultado da operação. Esta avaliação é realizada por uma equipe multidisciplinar que tem experiência no cuidado de pacientes com obesidade mórbida. Além de solicitar vários exames, o seu médico irá pedir que você faça uma avaliação com um endocrinologista ou clínico geral, cardiologista, nutricionista, psicólogo ou psiquiatra, anestesiologista e outros especialistas que ele julgar necessário.

Avaliação psicológica

O seu psicólogo precisa:

 Entender que a obesidade é uma doença epidêmica, crônica, dispendiosa, multifatorial e com morbidades e mortalidade elevadas, conforme a OMS;

 Ter a percepção que a  intervenção cirúrgica é  das etapas do tratamento da obesidade;

 Conhecer  os critérios de indicação para a cirurgia: índice de massa corpórea, co-morbidades, insucesso do paciente em tratamentos anteriores, apoio familiar e avaliação pré-operatória rigorosa;

O que o psicólogo vai avaliar

 Levantamento da história clínica do paciente: estilo de vida, hábitos, costumes, atividades, relacionamentos, pensamentos, sentimentos e comportamentos;

 Investigação sobre o início da obesidade, padrões familiares, maneiras de lidar com a doença, quantas e quais tentativas buscou para emagrecer, prejuízos causados pela obesidade em sua vida, casos de obesidade na família, auto-estima e imagem corporal, estado de humor, qualidade do sono, vida social e profissional, expectativas quanto ao procedimento cirúrgico;

 Verificação quanto à presença de compulsões, crises de ansiedade e fantasias acerca do emagrecimento, relação com o alimento e possibilidade de algum transtorno alimentar (compulsão alimentar periódica, anorexia, bulimia), níveis de stress, ansiedade e depressão do paciente;

 Observação da capacidade de manutenção do controle frente às situações de stress/tensão e de aspectos psicossociais que possam comprometer os resultados;

 Conhecimento de aspectos que podem inviabilizar o procedimento, cirúrgico: transtornos psicológicos mais graves como Transtorno Bipolar ou Esquizofrenia, Depressão (sem que esteja em tratamento), demais transtornos mentais e dependência química;

 Considerações sobre a percepção social diferenciada referente aos obesos de sexo masculino e feminino (discriminação e exigência social);

 Relação entre o comer e os fatores emocionais;

 Manutenção de conduta cautelosa e de encaminhamento para tratamento anterior à cirurgia quando necessário;

 Identificação de preditores de sucesso pós operatório;

 Previsão e disponibilidade para realização de monitoramento da adaptação pós-operatória;

 Possibilidades de implementação de mudanças nos hábitos de vida permanentes: ajustes nos padrões alimentares, prática de exercícios físicos e demais necessários a cada caso;

 Importância de se considerar a possibilidade de acompanhamento psicológico pré e/ou pós-operatório;

 Métodos e técnicas psicológicos mais utilizados: Entrevista Psicológica ampla e detalhada, Testes psicológicos como os de personalidade e, eventualmente, de inteligência (em caso de dúvidas sobre habilidade intelectual do paciente.) 
Marque uma consulta clicando a baixo.






sexta-feira, 12 de agosto de 2016

Cirurgia bariátrica, uma conquista médica, que pode se tornar judicial






SAÚDE COMO UM DIREITO!!!
A cada ano, cresce o número de pessoas que encaram o desafio de emagrecer reduzindo o tamanho do estômago por meio de cirurgia bariátrica. Na última década, o número de cirurgias deste tipo cresceu mais de 500%. Atualmente, o Brasil ocupa o segundo lugar no ranking dos países que mais realizam este tipo de intervenção, ficando atrás apenas dos Estados Unidos. Segundo a Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica (SBCBM), a previsão é de que em 2011 sejam realizadas 70 mil cirurgias de redução de estômago no país.
Mas quem precisa fazer a cirurgia bariátrica enfrenta uma verdadeira maratona para conseguir que o plano de saúde pague pelas despesas. A Lei n. 9.656/1998 compreende a cobertura assistencial médico-ambulatorial e hospitalar para o tratamento da obesidade mórbida, doença listada e classificada pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Entretanto, nem sempre as seguradoras cobrem o procedimento. É comum o plano alegar que a cirurgia de redução de estômago é puramente estética e, por isso, negar a realização da intervenção. Outros pontos questionados pelos convênios são a carência do plano e a pré-existência da doença.
Decisões recentes do Superior Tribunal de Justiça (STJ) enfrentam essas questões e, caso a caso, contribuem para firmar uma jurisprudência sobre o tema. Muitas acabam beneficiando quem precisa da cirurgia bariátrica como único recurso para o tratamento da obesidade mórbida.
No julgamento do Recurso Especial (Resp) 1.175.616, os ministros da Quarta Turma destacaram que a gastroplastia (cirurgia bariátrica), indicada como tratamento para obesidade mórbida, longe de ser um procedimento estético ou mero tratamento emagrecedor, revela-se cirurgia essencial à sobrevida do segurado que sofre de outras enfermidades decorrentes da obesidade em grau severo. Por essa razão, é ilegal a recusa do plano de saúde em cobrir as despesas da intervenção cirúrgica. No caso julgado, a Turma negou provimento ao recurso especial da Unimed Norte do Mato Grosso, que alegava não haver previsão contratual para a cobertura desse tipo de procedimento.
Segundo o relator, ministro Luis Felipe Salomão, a Resolução Normativa da Agência Nacional de Saúde (ANS), que reconhece a gravidade da obesidade mórbida e indica as hipóteses nas quais a cirurgia bariátrica é obrigatória. Além disso, o Código de Defesa do Consumidor (CDC) garante que cláusulas contratuais que implicarem limitação de direito do consumidor deverão ser redigidas com destaque, permitindo a imediata compreensão, tanto física quanto semântica, não podendo qualquer uma delas dar margem à dupla interpretação. Afinal, um paciente com obesidade mórbida não se submeterá a uma cirurgia de alto risco apenas com finalidade estética, ressaltou o ministro.
Carência
Em outro julgamento (MC 14.134), a Unimed Rondônia teve que autorizar todos os procedimentos necessários para a cirurgia de redução de estômago de um paciente com obesidade mórbida, independentemente do período de carência. A Quarta Turma negou pedido da cooperativa médica, que tentava suspender a determinação da Justiça estadual.
Técnica nova
Ainda sobre redução de estômago, os ministros da Terceira Turma determinaram que um plano de saúde arcasse com as despesas da cirurgia em uma paciente que mantinha contrato de seguro anterior ao surgimento dessa técnica de tratamento (Resp 1.106.789).
A relatora, ministra Nancy Andrighi, destacou que deve ser proporcionado ao consumidor o tratamento mais moderno e adequado, em substituição ao procedimento obsoleto previsto especificamente no contrato. Ela observou que havia uma cláusula contratual genérica que previa a cobertura de cirurgias gastroenterológicas.
Segundo a ministra, se o contrato previa a cobertura para a doença, qualquer constatação de desequilíbrio financeiro a partir da alteração do tratamento dependeria de uma comparação entre os custos dos dois procedimentos. Para a relatora, sem essa comparação, é apenas hipotética a afirmação de que a nova técnica seria mais onerosa.
Cirurgia plástica
No julgamento do Resp 1.136.475, a Terceira Turma entendeu que a cirurgia plástica para a retirada do excesso de pelé decorrente de cirurgia bariátrica faz parte do tratamento de obesidade mórbida e deve ser integralmente coberto pelo plano de saúde.
Para o relator do processo, ministro Massami Uyeda, esta cirurgia não pode ser classificada como mero tratamento de rejuvenescimento ou de emagrecimento com finalidade estética, procedimentos expressamente excluídos de cobertura, nos termos do artigo 10 da Lei n. 9.656/98. É ilegítima a recusa da cobertura das cirurgias destinadas à remoção de tecido epitelial, quando estas se revelarem necessárias ao pleno restabelecimento do segurado acometido de obesidade mórbida, ressaltou o ministro.
Preexistência da doença
No Resp 980.326, a Quarta Turma confirmou decisão que determinou à Unimed o pagamento de cirurgia bariátrica a um segurado de Mossoró (RN). O plano de saúde havia se recusado a cobrir as despesas com a cirurgia de redução de estômago, ao argumento de ser o autor portador de doença pré-existente.
Quanto à alegação, o relator, ministro Luis Felipe Salomão, asseverou que não se justifica a recusa à cobertura porque a seguradora não se precaveu mediante a realização de exames de admissão no plano, sobretudo no caso de obesidade mórbida, a qual poderia ser facilmente detectada.
Além disso, o ministro constatou que as declarações do segurado foram submetidas à apreciação de médico credenciado pela Unimed, ocasião em que não foi verificada qualquer incorreção na declaração de saúde do indivíduo. Deve a seguradora suportar as despesas decorrentes de gastroplastia indicada como tratamento de obesidade mórbida, concluiu.
Dano moral
Para as seguradoras, o prejuízo em recusar o tratamento pode ser ainda maior que o pagamento do custo do procedimento médico em si. Foi o que ocorreu com a Golden Cross Assistência Internacional de Saúde. Depois de negar a cobertura de cirurgia bariátrica a uma segurada, a empresa se viu ré em uma ação de obrigação de fazer cumulada com dano moral.
Em primeira instância, a sentença determinou a cobertura da cirurgia para tratamento da obesidade mórbida, já que a doença representava risco à saúde da paciente. No entanto, o juiz afastou o dano moral. O Tribunal estadual manteve a decisão.
No STJ, a Terceira Turma atendeu ao recurso da segurada (Resp 1.054.856). A relatora, ministra Nancy Andrighi, afirmou que a recusa indevida do plano de saúde de cobrir o procedimento pode trazer consequências psicológicas bastante sérias. Daí a ocorrência do dano. No mesmo recurso, a ministra constatou que para casos semelhantes, a indenização foi fixada entre R$ 7 mil e R$ 50 mil. Na hipótese analisada, a Turma entendeu ser razoável o valor de R$ 10 mil pelo dano moral sofrido.
Atendimento público
A hipótese de realização da cirurgia bariátrica pelo Sistema Único de Saúde (SUS) também é alvo de judicialização no STJ. Por vezes, a determinação de antecipação de tutela para a realização do procedimento é questionada, mas os ministros tem entendido que analisar a urgência ou não do procedimento implica em reexame de provas e fatos, o que não é permitido pela Súmula 7/STJ (Ag 1.371.505). Solução semelhante teve um recurso do Distrito Federal que questionou a impossibilidade de o paciente esperar na fila de precatórios para que recebesse valor arbitrado judicialmente para custeio de honorários médicos de uma cirurgia de redução de estômago (Ag 1.265.444).
Em 2008, o município de Lagoa Vermelha (RS) apresentou pedido de suspensão de liminar e de sentença (SLS 957) para que fosse desobrigado de cumprir determinação do Tribunal de Justiça estadual para realização ou custeio de cirurgia bariátrica de uma moradora que sofria de obesidade mórbida. A decisão do TJ se deu em antecipação de tutela.

O município alegou que a imposição de fornecimento de cirurgia não seria de sua responsabilidade e traria ameaça de grave lesão à economia. O então presidente do STJ, ministro Cesar Asfor Rocha, não acolheu a pretensão, porque o alegado prejuízo não estava evidente. Para o ministro, o custeio de cirurgia urgente de obesidade mórbida, a uma única pessoa, em razão de suas circunstâncias pessoais de grave comprometimento da saúde, não tem o potencial de causar dano concreto e iminente aos bens jurídicos que podem ser protegidos pelas SLSs.
Fonte:Publicado por Superior Tribunal de Justiça (extraído pelo Jusbrasil) 

terça-feira, 9 de agosto de 2016

LIVROTERAPIA

PENSE MAGRO POR TODA A VIDA


Judith Beck atualiza o programa de emagrecimento proposto nos outros livros Pense Magro, alterando a forma de ensinar certas habilidades. Com o auxílio de uma nutricionista, cria um planejamento alimentar baseado nas escolhas alimentares dos pacientes que apresentaram melhor resultado em suas dietas.




SÍNDROME DO PÂNICO



Narrativa autobiográfica que descreve a síndrome do pânico e a experiência do autor, que padeceu desse distúrbio.
Você está em casa, calmo, ouvindo uma música, como faz todos os dias. De repente, alguma coisa estranha começa a acontecer. Você sente uma vontade inexplicável de fugir, a boca fica seca, o suor molha a roupa, o coração bate descompassado, mãos e pernas tremem sem parar. os sintomas lembram um infarto. Alguns minutos se passam e o mal-estar desaparece sem deixar vestígio. Meses depois, a sensação se repete. E fica tão freqüente que a vida se transforma num inferno. Diagnóstico: Síndrome do Pânico. 
Neste livro, Gugu Keller conta como passou por essa experiência avassaladora e o que é possível fazer para se curar desse distúrbio que atinge hoje 3 milhões de brasileiros.

(Livro não disponível para Download)




EM BUSCA DA SUPERAÇÃO: SÍNDROME DO PANICO


“Em busca da Superação – Síndrome do Pânico” é uma parceria do projeto social Pânico Terapia com o psicólogo Alcides Guerra. Neste livro digital, vocês encontrarão informações sobre como funciona a Síndrome do Pânico, problema que atinge de 2% a 4% da população mundial, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS). O objetivo desta publicação é que vocês possam aprimorar técnicas para lidar com as crises e assim melhorar a qualidade de vida.Liberado para download :
http://www.medicodocoracao.com.br/wp-content/uploads/2015/07/LIVRO-T-PANICO-tecnicas-psicoterapicas.pdf